Blog

Tubarões e sua importância para o Oceano

Importância dos tubarões

Tubarões são os reis do oceano e tem uma importância enorme para o nosso ecossistema. 

Entretanto, a grande maioria das pessoas lembram deles como grandes predadores presentes em filmes de ficção e muitas notícias sensacionalistas. 

Sem dúvidas os tubarões são polêmicos e causam medo em muitas pessoas.

Mas o que muita gente não sabe , mas o comportamento humano e ações que impactam na natureza influenciam muito mais nos casos de ataques do que qualquer outra coisa. 

Vou te explicar a importância dos tubarões no ecossistema e como podemos conviver com eles em harmonia e até mesmo mergulhar e apreciar esses seres magníficos. 

Vou te contar ainda como muitas espécies estão sendo extintas, e que sem elas o oceano pode morrer.

Venha entender melhor e saber como você pode ajudar na preservação dos tubarões e dos oceanos.

Medo de tubarão pelos filmes. 

tubarões-no-mergulho

Os tubarões sempre foram vistos como predadoras, mas foi em 1975, quando Steven Spielberg lançou o filme Tubarão (Jaws), que eles realmente se tornaram o terror dos mares.

Steven Spielberg almejava o topo da carreira de diretor de cinema em Hollywood, e com este filme ele se consagrou como diretor de ficção científica e efeitos especiais

Não temos dúvidas que ele alcançou seu objetivo com êxito trazendo milhões de pessoas aos cinemas, ganhando diversos prêmios. 

Mas qual foi o legado que ele e seus filmes deixaram?

Infelizmente após este filme, os tubarões ganharam uma imagem de devorador feroz de humanos. 

E assim diversos outros filmes com tubarões foram lançados, passando a mesma mensagem de animais assassinos. 

Essa imagem juntamente com a mídia sensacionalista fizeram que hoje o número de tubarões mortos anualmente seja infinitamente maior do que os ataques a humanos.

Motivos de ataques de tubarão no Brasil

Aqui no Brasil, já vimos notícias de ataques de tubarões em Recife e Fernando de Noronha, que chocou muitas pessoas e interditou a praia mais famosa de Pernambuco.

Para entender melhor esses ataques registrados no Brasil, precisamos entender os motivos, veja;

Primeiramente em Recife vamos voltar um pouco e ver a construção do Porto de Suape na década de 80,  em cima de um manguezal sem nenhum estudo de danos ambientais e causando um grande impacto ambiental

Existem diferentes espécies de tubarão, portanto, têm-se diferentes tipos de alimentação e, diferentemente do que muitos pensam, nem todos são predadores vorazes. 

Diversos tubarões se alimentavam nos manguezais de crustáceos e acabaram sem rumo e famintos parando nas praias de Boa Viagem, onde banhistas indefesos são confundidos com presas.

Alguns também se alimentam de animais grandes, como outros peixes, tartarugas e focas, sendo esse o caso do tubarão tigre. 

Os tubarões também têm pouca sensibilidade na visão e na verdade enxergam por contrastes e por isso fazem mordidas investigativas.

Mas quando os acidentes acontecem, a culpa é colocada nos tubarões.

que sempre estiveram na região vivendo tranquilamente em seu ciclo alimentar. 

Ao longo de mais de duas décadas, 62 vítimas foram atacadas, das quais 24 morreram segundo dados da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE)

Casos em Fernando de Noronha

Nos casos em Fernando de Noronha, um arquipélago protegido pelo ICMBio, turistas interagindo com tubarões acabaram sendo atacados.

Esses são bons exemplos de interação negativas durante a prática de snorkel e até mesmo na areia da praia. 

As investigações dos ataques mostraram algum tipo de acuação ao animal ou até mesmo toques, o que são extremamente proibidos e podem resultar em multa e prisão. 

Um dos casos de ataques, mostra uma turista segurando um tubarão filhote.

Algumas pessoas têm medo e outras acabam tendo um excesso de confiança, que levam a uma interação errada.

Precisamos lembrar que tubarões são animais selvagens e que vão reagir ao se sentir acuado e ameaçado.

Ou seja, é preciso entender que a grande maioria dessas reações são de defesa. 

Mergulhos com tubarões no Brasil 

espacializaçõ-em-tubarão

Mergulhar com tubarões é uma sensação incrível. Enquanto para algumas pessoas o medo toma conta, para outras é um sonho estar desses animais.

No nordeste é possível ver com maior frequência o tubarão-lixa, também conhecido como lambaru, espécie mais calma e que convive tranquilamente com humanos.

Mas mesmo assim é preciso saber como se comportar na frente desses lindos animais, pois durante o mergulho podemos encontrá-los.

Os naufrágios foram adotados por eles por terem tocas e entradas menores que permitem estarem protegidos. 

Desta forma, é comum entrar em algum ponto do naufrágio e se deparar com um ou alguns deles, um momento sensacional para os amantes de tubas.

Em Fernando de Noronha também é possível ter essa experiência incrível, onde você poderá ver o tubarão-lixa, o tubarão cabeça-de-cesto e o tubarão-limão. 

Mas lembre-se, você precisa saber como se comportar na presença dos tubarões.

Para isso analise o comportamento do animal, mantenha uma distância segura, não toque e jamais tente acuar os tubarões.

Até mesmo em locais com tubarões maiores é possível mergulhar com eles de maneira segura como em Bahamas com o pessoal da Stuart Cove’s.

Impacto da extinção dos tubarões no Oceano

tubarão branco

Primeiramente pare e pense no mundo sem tubas, seres tão importantes e com alto nível de impacto na cadeia alimentar oceânica. 

São mais de 375 espécies de tubarões, oceânicos e de arrecife. 

Cada região do mundo tem tipos diferentes de tubarões e sua importância é vital. 

A principal função dos tubarões é retirar os peixes e animais doentes e debilitados, que viram presa fácil.

Mas os tubarões também se alimentam de espécies menores, parte importante da seleção natural. 

Mesmo as lindas tartarugas e focas são presas de primeiro grau para tubarões famintos, e esse é o ciclo alimentar. 

Com tubarões extintos na natureza muitos seres não teriam um predador e assim se reproduziriam sem controle desbalanceado o sistema. 

Eliminando assim suas principais presas, aumentando o consumo de algas e corais. 

A importância de um animal no topo da cadeia alimentar é enorme, acima de tudo para a saúde do oceano.

Além disso, tubarões têm um ritmo lento de reprodução, levados meses em gestação e muitas espécies apenas se reproduzindo uma vez durante sua vida. 

Assim, tubarões são mais sensíveis à extinção, e várias espécies já estão sofrendo diretamente com esse risco.

Pode entender melhor nesse video 

(2) NÃO TEREMOS AR SEM OS TUBARÕES NO MAR – Você precisa saber disso para a própria sobrevivência – YouTube

Por que os tubarões estão sendo extintos 

Acima de tudo precisamos falar da pesca predatória e industrial, mas também costumes e tradições levam a pesca de tubarões. 

Primeiramente esclarecer que provavelmente você já deve ter comido carne de tubarão.

Sim, se você como peixe, é bem provável que tenha comido posta de cação, que é um tubarão. 

O grande problema é que tubarões são proibidos de serem pescados e comercializados, e assim descaracterizam a carne e o nome para poder vender. 

Mas o problema não é o consumo caseiro e a comercialização local, o grande impacto aos tubarões e diversas outras espécies marinhas são as peças industriais

O recente documentário Seaspiracy veiculado pela Netflix, mostra uma investigação dentro das pescas industriais que tem pouca fiscalização.

Extremamente impactante o documentário, mas traz à tona também o que já é sabido de técnicas de pesca que levam golfinhos, tubarões, tartarugas e centenas de aves marinhas a serem mortas. 

A pesca de espinhel é uma que mata grande parte de animais maiores e impacta diretamente na população de tubarões MAKO por exemplo. 

Segundo o documentário, 50 milhões de tubarões são pescados acidentalmente por ano.

tubarões

Shark finning 

Outro problema é o shark finning, prática de cortar a barbatana do tubarão para fazer uma sopa com sua cartilagem. 

Esta cultura surgiu na China, mas já se espalhou pelo oriente, onde acredita-se que a sopa de barbatanas de tubarão seja afrodisíaca.

Umas das cenas mais impactantes do documentário é ver tubarões sem barbatanas sendo jogados no mar novamente. 

Mas quando analisamos os números vemos a resposta: o quilo de nadadeira seca é infinitamente mais valiosa do que o quilo da carne de tubarão. 80 dólares o quilo. 

Como há limite de capacidade nos barcos pesqueiros, fica fácil entender porque o pescador, ao capturar um tubarão, prefere cortar fora suas nadadeiras e atirar seu corpo de volta ao mar.

Mas podemos fazer algo, e devemos fazer, uma palavra, uma atitude, sempre ajuda e irá chegar lá.

O que vc pode fazer para evitar a extinção dos tubarões 

Antes de mais nada se pergunte: “ e se eu nunca mais encontrar um tubarão no oceano?” 

Dentro de tudo que falamos o mais importante é entender o impacto que a extinção dos tubarões pode causar para o planeta.

Para assim poder ter mais consciência na sua forma de consumo. 

Pode parecer radical, mas precisamos reduzir drasticamente o consumo de peixe, pois assim reduzindo a demanda por peixe estaremos reduzindo a matança dos tubarões e de muitos outros animais marinhos.

Você também pode aumentar seu conhecimento sobre os tubarões e se tornar um ativista ajudando a espalhar esta mensagem.

Dentro desse movimento, a PADI criou um curso sensacional, com muitas informações sobre tubarões, sua importância e suas principais ameaças.

Venha ser um Especialista em Conservação dos Tubarões.

Essa especialização é tanto para mergulhadores como não mergulhadores.

Que tal aprender uma coisa nova e ainda ajuda na preservação dos tubarões?

SHARK CONSERVATION

Seja um expert em TUBARÕES

Faça o curso em 2 dias e se certifique pela PADI

Olá, sou o Saulo Instrutor de mergulho com formação em Marketing digital, larguei tudo para realizar o sonho de encontrar os grandes animais aquáticos do mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.